Vantagens na detecção molecular de inoculantes

A utilização de bactérias para fixar nitrogênio em plantas já é, por si só, uma das grandes inovações da agricultura. O avanço do uso de produtos biológicos representa um futuro com menos dependência de fertilizantes e defensivos químicos e mais tecnologia no campo.

No entanto, um dos desafios na produção desses insumos está no controle de qualidade. Como certificar se o insumo biológico possui os organismos em condições e quantidades viáveis para a eficácia na lavoura?

Cultivar, isolar e identificar as cepas de Azospirillum e Bradyrhizobium é um desafio constante para os laboratórios de controle de qualidade nas indústrias. O controle por microbiologia clássica precisa de alguns dias para um resultado aceitável. No caso do Bradyrhizobium, por exemplo, ainda há o desafio para diferenciar as cepas SEMIA 5079, SEMIA 5080, SEMIA 5087 e SEMIA 5019 que podem facilmente ser confundidas, mas que a legislação obriga a diferenciá-las.

Mas todo esse processo evoluiu e agora é possível fazer a análise molecular desses produtos. Lançar mão do DNA é uma das formas de passar do analógico para o digital quando falamos em controle de qualidade.

Metodologias de análise genética conseguem qualificar e quantificar amostras de inoculantes em poucas horas. O que antes poderia levar mais de uma semana, ainda sem uma garantia de resultado, agora pode ser verificado junto com a produção, em tempo real.

Estamos falando a utilização do RT-PCR para verificação de produtos biológicos. A mesma tecnologia e metodologia padrão ouro aplicada para detectar a COVID-19, pode beneficiar a indústria de inoculantes. Mais velocidade e precisão, com baixo custo.

Diferenciação de cepas

A GoGenetic padronizou métodos de detecção por RT-PCR que identificam, quantificam e ainda diferenciam essas cepas de Azospirillum e Bradyrhizobium. É possível diferenciar para Azo: Az39, AbV5 e AbV6 e para Brady: SEMIA 5079, SEMIA 5080, SEMIA 5087 e SEMIA 5019 em uma mesma análise.

Células viáveis

Uma dúvida nesta metodologia é se a análise contabiliza as células não viáveis (vivas), uma vez que o material genético pode ser identificado mesmo quando não está mais ativo (células mortas). Para que essas células (não ativas) não fossem contabilizadas, a GoGenetic desenvolveu uma metodologia própria que seleciona para análise apenas o material genético ativo da amostra. Somente as células vivas é que são contabilizadas.

Tempo

O tempo de análise em bancada é uma das grandes vantagens da metodologia. A GoGenetic desenvolveu um processo que elimina as etapas de cultivo e extração de DNA. Desta forma o tempo total de análise não passa de três horas.

Conclusão

A biologia molecular é o futuro para análises microbiológicas nos mais diferentes ambientes. A mesma tecnologia que está salvando vidas vai mudar a dinâmica do agronegócio. Processos antigos serão, aos poucos, substituídos pela precisão e agilidade da “biomol”. A GoGenetic carrega essa transformação como propósito.

Se a análise de inoculantes é um desafio para a sua empresa, venha falar conosco.